Transformando resíduos da mineração em parques para a população
25 de July de 2019

Quando chegamos na Alemanha, muitos elementos da paisagem nos chamavam a atenção. O desejo de entender as diferenças entre os países costumava render bons papos com os moradores locais, que nos explicavam os detalhes dos elementos que despertavam nossa curiosidade. Os morros da região do Ruhr fazem parte dessas histórias que colecionamos e registramos em vídeo.

O Vale do Ruhr teve seu crescimento marcado pela exploração do carvão mineral. A região é caracterizada por uma paisagem bastante plana, da qual emergem pequenas montanhas. Essa formação não se parece algo natural, e de fato não é: os pequenos montes foram formados artificialmente pelos produtos residuais da mineração. Atualmente, eles foram regenerados e redesenhados. Tornaram-se parques de preservação e de lazer, e alguns foram ainda transformados em obras de arte. As pequenas montanhas fazem parte da paisagem e contam a história da região, integrando a Rota do Patrimônio Industrial. Cabe lembrar que o Vale do Ruhr desenvolve uma estratégia de reinvenção da região através da preservação ambiental e da cultura. 

Da mesma forma, outras atividades que acabam degradando a paisagem também precisam planejar o ambiente que vão deixar para o futuro. Encontramos um bom exemplo na mesma região: a população não queria mais que a pedreira continuasse exercendo suas atividades no local. Uma recuperação já estava prevista, porém a comunidade julgou que a compensação não era suficiente. Houve um período de negociação e a empresa apresentou o projeto com o seu legado. Um belo parque, com a devida recuperação ambiental, mas também com extensas áreas de lazer. Assim, a empresa pode retirar pedras por mais um período e a comunidade ficou satisfeita com os novos usos e perspectivas para o espaço.

No Brasil, as empresas também devem apresentar os projetos de recuperação das áreas degradadas. Modelos e referências de bons projetos devem fazer parte das soluções, para planejarmos melhor a cidade em que vamos viver no futuro.

Confira aqui o vídeo gravado no Vale do Ruhr:

Deixe uma resposta